01 abril 2010

Uma monarquia com argumentos!

Em Portugal há quem veja na monarquia um exemplo de probidade e rectidão capaz de envergonhar o chiqueiro republicano. Comparam até custos; assim, em 1910 a Casa Real recebia 2.498,98€, e hoje receberia 10.528.177,09 € mas já a Presidência custa-nos 17.464.000,00 €. A República custa mais 68,88% que a Monarquia, assim ficando o ás de trunfo com os da Causa Real, dizem. Cá o Ferreira-Pinto até aderia se o trono fosse para uma beldade com um sólido par de argumentos capaz de compensar os custos com as receitas do ... turismo. Mas, pensando bem, nós só temos D. Duarte! E às tantas estava ele como Isabel II que recebe quase 8 milhões de libras por ano e ainda quer mais.

23 comentários:

Celina disse...

Mas que sexismo é este?! Porque é que não podemos ter o D. Duarte no trono?! Aquele bigodesinho deixa qualquer uma maluca, meninos! Aprendam, aprendam xb Ahahah "um sólido par de argumentos"... ai Jesus! xD

Ferreira-Pinto disse...

Ó Celina não é sexismo, é realismo!
Mesmo considerando que fosse D. Duarte a ocupar o trono, diz-me se irias de propósito a Belém para ir ver aquele "bigodesinho"?

Admito que talvez me tenha esticado nos "argumentos", mas hoje deu-me para a malandrice.

Mas não sabes tu que até a República é apresentada de "argumento" desfraldados? :)))

Renato_Seara disse...

Gostava muito de saber quem fez essas contas... Mais um licenciado na Univ.Independente.

Ferreira-Pinto disse...

Cá o rapaz é que não foi, Renato ... foi um tipo que se chama Luís Bonifácio e a coisa pode ser vista lá na ligação!

Rosa disse...

Curiosas contas e mais não digo quanto a isso.
Quanto à fotografia, devo deduzir que a rainha teria de usar madeixas, pavonear as mamas na praia e mais nada?

Ferreira-Pinto disse...

Errado, Rosa.
Tinha isso sim que:
a) usar biquini de confecção nacional;
b) passar as férias de Verão no Algarve;
c) deixar-se fotografar pelos súbditos!

Eduardo Miguel Pereira disse...

Estou a ver que andaste a dizer mal da deputada do PS a que me referi lá no Illuminatis, mas afinal, serviu-te de inspiração para estas "monarquias" ! eheheheh
Eu, com uma rainha destas, candidatava-me logo a aio real !

Ferreira-Pinto disse...

A aio real, Eduardo?
A príncipe consorte, no mínimo.

Quanto à má língua, tens de convir que o argumentário desta é muito melhor que o da outra!

António de Almeida disse...

Se a memória não me atraiçoa quando Isabel II subiu ao trono, a Casa Branca era ocupada por Eisenhower, os negros ainda lutavam por direitos, hoje o lugar é de Obama. Pelo menos em eleições os ingleses pouparam alguma coisa. Mas não sou adepto de nenhum dos regimes, para mim é presidencialismo, governo sem poder legislativo, 2 câmaras e forte poder judicial. Sim, vejo demasiados filmes, mas inspira-me a América, terra da Liberdade, ultimamente nem tanto...

pedro oliveira disse...

A monarquia também já utiliza o fotoshop?....

abraço e boa páscoa.

Compadre Alentejano disse...

Eu até esquecia a República para me embrenhar em argumentos tão apelativos.
Venha o euromilhões que argumentos destes não faltarão!...
Compadre Alentejano

Fenix disse...

Caro Ferreira-Pinto!
Se fosse a primeira vez que tomasse contacto com os seus "escritos", ficava no mínimo chocada...e tomá-lo-ia por um vulgar machão!
Mas ao ler este post e alguns comentários, penso que talvez a nossa vida fosse bastante amenizada das agruras económicas e injustiças políticas, se vivêssemos a nossa sexualidade de uma forma mais "liberal", tipo "make love not war"...
:))
Boa Páscoa!

Pensador disse...

Não vou comentar ou questionar atributos óbvios (ou nem tanto para algumas pessoas, talvez). Menos ainda falar da Isabel II, exceto para dizer que, se arrendarem o palácio de Kensington, bem que eu não me incomodaria se tivesse o dinheiro necessário para ser o arrendatário.
Como bom anarquista (consciente de que o ser humano ainda precisa evoluir muito para chegar a este regime) que sou, considero que a monarquia é um dos piores tipo de regime que pode existir para um povo. Não consigo aceitar que uma família se auto-atribua um "direito divino" ou algo do gênero sobre toda uma nação.
Ainda assim, percebo muita gente "saudosista" de um tempo que nunca viveu, talvez embalados por contos de fadas e pelo vago sentimento de que "na Inglaterra funciona, então deve ser bom", sem levar em conta que por lá o rei e a rainha são figuras meramente decorativas já se vão quase 800 anos.
Há alguns anos, em 1993, tivemos um plebiscito por aqui para definir a forma de governo do país, se seria mantido o presidencialismo ou se seria adotado o parlamentarismo. Meio de última hora foi incluída a opção da monarquia parlamentarista.
Infelizmente, na minha opinião, a vitória foi do presidencialismo, por um erro tático dos parlamentaristas, dizer ao nosso povo que precisariam fiscalizar melhor seus eleitos e que acabaria o paternalismo não foi uma boa escolha. Mas o mais divertido de ver, na ocasião, foi o contraditório slogan dos monarquistas: VOTE NO REI.

Eduardo Miguel Pereira disse...

Pensador, meu caro amigo, você vai-me desculpar mas ao ler o seu comentário não pude deixar de dar largas à minha imaginação e comecei a vaguear, vendo o "lustroso" Lula como Rei, apertado naquelas vestes setessentistas, sentado à mesa na sua corte, comendo alarvemente as imensas iguarias que lhe ponham à frente. Com o queixo escorrendo gordura, a limpar-se grotescamente às mangas do seu belo casaco escarlate, já bêbabdo, e apalpando descaradamente as rijas e suculentas nádegas das mulatas que o serviam na sua corte no Castelo de Brasilia. A Rainha Dona Marisa, essa, dividia o seu tempo entre a gestão dos afazeres da criadagem no Castelo e os diversos casos que mantinha com os luzidios negros que recrutava para o seu quarto secreto no sotão o Castelo. E enquanto este deboche decorria dentro do Castelo, o Principe Lulinha percorria todas as terras do Reino do Brasil, roubando toda a gente à sua passagem, vivendo da forma mais faustosa que se possa imaginar e deixando à sua passagem um rasto de filhos ilegitmos nos braços das desgraçadas jovens que ele usava como forma de pagamento de impostos reais.

Siga os próximos episódios da nova blogonovela, todos os dias, às 18:00 aqui no 1(espécie de revista)abirritante.

Ferreira-Pinto disse...

Ó António de Almeida os ingleses pouparam em eleições? Só se for na da Rainha, que quanto ao resto ... então e para o Parlamento ou Casa dos Comuns? E que dizer dos Lordes?

Ferreira-Pinto disse...

Ai não que não usa, pedro oliveira ... photoshop e não é pouco, mas aqui a princesa aho que mais silicone!

Ferreira-Pinto disse...

Compadre Alentejano, estou consigo nessa luta!

Ferreira-Pinto disse...

Minha cara Fenix bem sabe que não gosto (sempre) de me levar a sério, especialmente aqui na blogosfera ...
Ademais, sou dos que acham que quase todos os assuntos podem ser abordados de forma irónica, leve, mordaz ... nem sempre resulta, admito mas gosto de tentar!
Por isso, creio ter sido logo perdoado pela minha amiga.

Quanto ao que diz em remate final, não deixa de ser curioso que ainda há dias estive a ver o filme de Ang Lee, "Taking Woodstock" e em vendo tudo aquilo pensei que talvez deixar entrar ou sair um pouco do "hippie" que há em cada um não nos fizesse mal algum!

Ferreira-Pinto disse...

Vota no rei? Diziam eles, Pensador? Mas quem lhes engendrou a campanha?
E para a rainha qual seria o slogan? :)))

Ferreira-Pinto disse...

Eduardo está adjudicado o guião. Mãos à obra, ó se faz favor ... ops, ops, cuidado ... eu disse à obra, não aos argumentos! :)))

Benjamina disse...

Ai Ferreira-Pinto, para onde te haviam de dar os argumentos! Não sabia que bons pares de "ventos" te atirariam a República para o esgoto :(

Benjamina disse...

Antes que te esgrimes para aí em "argumentos", deixa que te diga que sei que estavas a brincar. Além disso, não é hoje o 1 de Abril???

Boa Páscoa

Ferreira-Pinto disse...

É bem verdade Benjamina que ontem era o dia 1 de Abril!

Quanto ao resto sempre te diria que um jeitoso par de argumentos não era de molde a mudar minhas inclinações republicanas, porquanto também é mister que diga que os conheço (aos argumentos) republicanos e a pedir meças!

E também havia a nada meritória qualidade de agente duplo ou a possibilidade da nacionalização! :))))