30 março 2010

Passos, beija eu!

Aqui o Ferreira-Pinto leu já há um bom par de anos um livro de Afonso Botelho intitulado "Como o senhor Jacob enganou o socialismo" do qual recordo uma passagem onde um personagem equiparava a política com o amor. Dizia aquele que nas campanhas e no namoro tudo se promete; depois de eleitos ou casados, nada se cumpre!
Bem sei que é esticar a corda, mas ontem quando vi Passos Coelho todo pimpão a galgar o escadório da S. Caetano rumo às bochechas macilentas de Ferreira Leite, e aquela toda sorridente à espera de lhe pespegar dois beijos lembrei-me do nosso Afonso Botelho. Em campanha, a senhora ignorou olimpicamente um láparo que lhe esticava a mão lá para Vila Real; ontem, depois do láparo ter passado a Coelho chefe, lá estava ela para lhe dar o beijo. Se de Judas, ou de graxa iremos ver!

6 comentários:

Francisco Clamote disse...

Ó Ferreira-Pinto, não lhe escapa uma!

Eduardo Miguel Pereira disse...

Cruzes canhoto FP ! tu já viste bem o que é sentir-se as tais bochechas macilentas esborracaharem-se contra a cara de uma pessoa, depois aquele bafo de velha ressabiada e demoníaca a passar indelevelmente pelas narinas. E pior que isso, poder ser violentamente agredido, naquele movimento típico do beijo, em que as caras se aproximam, pelo fálico nariz que a sra. ostenta.

Deve ser do pior ! as lambidelas do meu cão custam-me menos.

Ferreira-Pinto disse...

Amigo Francisco Clamote sabe como é, a gente às duas por três está para ali feito basbaque a olhar e ... zás, surge uma ideia assim ...

Ferreira-Pinto disse...

Ó Eduardo como diria o outro ... "cum caralho"! Essa do nariz fálico está bem vista.

PQ disse...

Assa do láparo a passo já me arrancou uma gargalhada. Vamos lá ver como e quando é que os lobos alaranjados decidem voltar a atacar o galinheiro agora transformado em coelheiro.

Ferreira-Pinto disse...

Devem estar a afiar as facas, amigo PQ.