22 março 2010

Remains of the day...

Gostaria de poder  fazer aqui a apologia de um belo Domingo em terras mouras...
Gostaria de poder dizer que o desporto é das melhores formas de aliviar o stress...
Gostaria de poder saudar todos quantos se deslocam pelo país fora para apoiar um clube...


Gostaria... mas não posso!

Para começar temos um estádio que para todos os efeitos tem sido sempre um elefante branco, um peso desmesurado para duas terras que foram basicamente obrigadas a erigi-lo, sob pena de se tornar novamente território estrangeiro, de mouros...
Estádio que continuamos a pagar com muito esforço, sem uma luz ao fundo do túnel, em época de crise, numa terra onde mais de metade das empresas é familiar e está a fechar!

Depois, todo um povo que pára para ver passar a corrida a Portugal em bicicleta e não gasta um tusto para assistir a uma partida de futebol!

Mistura-se a isto a profunda indiferença a que nos vota o resto do país, excluindo a época do Verão, quando nos tratam como criados, e temos um belo Domingo de final da Taça da Liga!

Mistura explosiva, por sinal... por cá ficaram os despojos do dia... e nenhuma vontade de voltar a ser anfitriões tão cedo...

indomável

11 comentários:

Ferreira-Pinto disse...

Não fosse a tibieza de alguns e a imensa vaidade de outros e não se teriam construído alguns desses elefantes brancos; o estádio do Algarve é apenas um deles, mas somos pobres com a mania que somos ricos e depois dá nisto!

Noto alguma amargura, mas não creio que se possa fazer a apologia dessa apregoada indiferença do país; até porque, se vires bem, minha amiga, aqui no Vale do Ave, se calhar, as pessoas queixam-se do mesmo ... outro tanto nas Beiras. A bem dizer, apenas os que se concentram no Terreiro do Paço (e nem todos) se abotoam bem na vida!

Quanto ao tratamento, não me pronuncio. Eu cá procuro ser educado, não respondo pelos outros.
Mas, já agora, não passas sem troco que também já por aí tenho conhecido alguns empertigados bem malcriados.
Serve isto para dizer que, se calhar, há de tudo.

indomável disse...

Desculpa a amargura meu amigo. Foi mais provocatória que qualquer outra coisa.
Na verdade, vi muito entusiasmo de benfiquistas e muito azedume de portistas, pelo que se passou no campo, mas pouco se discerniu acerca do que se passou fora dele!

Tive de explicar aos meus filhos que não poderiam assistir ao vivo ao derby, porque por certo a selva africana seria bastante mais segura para eles!

Na verdade, FP, os malcriados que tens encontrado quando aqui vens nas férias, são na sua grande maioria, gente que vem para cá sazonalmente, não gente de cá.

Amargura é mesmo o que sentes no meu texto...

Ferreira-Pinto disse...

Mas que diabo, moçoila, andas assim tão desanimada?
Logo agora que quando escreves a genye vê ali uma formosa senhora toda sorridente a mirar-nos de canto?

Quanto à euforia de uns e ao azedume doutros, ainda te admiras?
Imaginarás tu o que é um humilde portista ter de reconhecer que este ano o Benfica joga como o Porto, se alguns dos seus jogadores sentissem a camisola e a esmagadora maioria dos seus administradores tivessem vergonha na cara (cuidado que com isto não btanqueio um Vieira qualquer), e que nós somos uma anedota?

Mas tens razão em várias coisas (helás, como quase sempre!) e no caso do futebol devia ser uma festa e não uma tourada!

Fada do Bosque disse...

É e eu detesto tourada... dou toda a razão à Indomável e sinto o mesmo amargo de boca!
Este País é um elefante branco, do Minho ao Algarve! :(

Pensador disse...

Pelo que eu percebo, não é apenas aqui que o risco à integridade física dos torcedores que não pertençam às malfadadas torcidas organizadas é grande.
Já não sou um grande fã de futebol, esta situação de risco me afasta ainda mais dos estádios...

pedro oliveira disse...

O que mais me choca é que os energumenos dos dois lados, ainda tenham tido acesso ao jogo no estádio.Se fosse eu que mandasse, ficavam todos numa qualquer praça de touros sem direito a ver o jogo e no fim do dito iam para casa.
Assim premeiam-se os FDP e prejudicam-se quem se lamenta na forma do "gostaria de..."

indomável disse...

Pois eu, Pedro Oliveira, se mandasse, castigaria ambos os clubes pelos (mal)feitos dos adeptos...
Aposto que da vez seguinte seriam os próprios clubes a implorar para que os "adeptos" se portassem bem!

António de Almeida disse...

O poder político espera uma tragédia para terminar com a vergonha das claques, sem obviamente impedir a livre associação, basta estar atento ao que por lá se passa, matéria para deter e apresentar selvagens à justiça não deve faltar. Pessoalmente vou muito menos vezes ao futebol, não me misturo com desordeiros, os bilhetes de bancada central onde fico a salvo dessa escumalha, mas não de atrasados mentais, são caros. Mesmo aí experimentem ir na companhia de alguém amigo que seja adepto do clube adversário... Quanto aos estádios Portugal tem o que merece, para o Euro eram necessários 8 estádios, mas Portugal decidiu construir 10, certamente investimento público como vi alguns keynesianos afirmarem, defendendo que Portugal tem uma vocação para organizar eventos. Ainda bem que a Alemanha é governada por A. Merkel, que considera que os alemães não têm de trabalhar para pagar os disparates desta gente que nos tem (des)governado, os gregos deveriam por esta altura estar em situação invejável, organizaram em 2004 os Jogos Olímpicos, investimento bem mais colossal que o Euro, com resultados que saltam à vista. Agora até há quem defenda a demolição de estádios, mas basta falar em Mundial 2018 para se colocarem em bicos de pés...

indomável disse...

Bem a propósito, no fórum TSF discute-se a violência no futebol...

Eu defendo que os clubes sejam sancionados, mas como medida preventiva, do que como castigo. Isto porque também não vi da parte dos responsáveis de ambos os clubes quaisquer comentários acerca dos comportamentos dos seus adeptos.
O que é certo é que os estragos ficaram para as vítimas pagarem e nem mais um pio!

PQ disse...

Não vou em futebois, confesso que ver 22 meninos atrás de uma bola não é um espectáculo muito edificante, menos edificante ainda se os adeptos utilizarem essa indústria para sublimar frustrações.

Tite disse...

Indomável,

Estou de acordo contigo quando dizes que os responsáveis pelos motins deveriam ser castigados exemplarmente.

Mas, no seguimento do que ouvi na TSF, também acho que um tal jogador do FCP (parece que chamado Bruno Alves) deveria ter sido expulso do jogo e ser irradiado deste desporto pois levou o tempo todo a agredir física e verbalmente todos os que o rodeavam, inclusivé colegas de equipa. Será que agora é moda atentar-se contra a integridade física ao pontapé letal? Mais parecia que queria partir as pernas aos adversários do que jogar a bola.
E eu que gosto de ver jogar futebol desde criança não encontro justificação para tanta violência dentro e fora dos estádios.
Lamento ainda mais pois penso que este jogador é um dos escolhidos pelo nossos Seleccionador para representar Portugal e não auguro nada de bom depois do que apreciei no decorrer do jogo de Domingo.