15 março 2010

Uma hora, menos 300 empregos!

A zona euro perde cerca de 300 postos de trabalho em cada hora.
A isto chama-se crise. E das grandes! Onde e como acaba ninguém sabe.

14 comentários:

Carol disse...

Crise?! Boatos, boatos...

O Guardião disse...

Estava hoje sentado na recepção do consultório médico com um jornal na mão e o senhor que estava ao meu lado disse a propósito do desemprego: em vez de estarem a convidar toda a gente para limpar as lixeiras selvagens deste país, deviam começar a mandar os beneficiários do subsídio de desemprego fazer trabalho comunitário. Na altura não recebi bem a sugestão, mas reflectindo um pouco, as desvantagens são bem menores do que as vantagens.
Cumps

Anónimo disse...

NWO siga p'ra BINGO!


«Investigadores do Banco de Portugal, OCDE, agências de rating e FMI anunciaram que um asteróide com cerca de 10 quilómetros de diâmetro vai atingir a classe média a uma velocidade de 20 quilómetros por segundo. O PEC é igualzinho ao asteróide que provocou a extinção dos dinossauros há 65 milhões de anos. O impacto irá originar uma cratera de grandes dimensões no poder de compra, sendo lançadas para atmosfera toneladas de impostos e taxas que vão escurecer o céu e sufocar a economia. Uma série de terramotos em cadeia irão fazer ruir milhares de pequenas e médias empresas, acumulando-se uma grande quantidade de destroços» nos centros de emprego. Mas segundo o paleontólogo amador Teixeira dos Santos há esperança: "tal como a extinção dos dinossauros abriu a oportunidade para a expansão dos mamíferos, o fim da classe média irá possibilitar a proliferação de novas espécies, como os pobres e desempregados".

Ferreira-Pinto disse...

Achas, Carol?

Ferreira-Pinto disse...

Por acaso, Guardião, também sou dos que defendem que quem recebe RSI e outros benefícios devia ser compelido/obrigado a prestar serviço a favor da comunidade!

Ferreira-Pinto disse...

Aquilo não é bem um asteróide, antes um planeta Helena!

Eduardo Miguel Pereira disse...

E agora há que preparar o "lombo" para as consequências.
Sim, porque quando a comidinha começar a faltar no prato, as pessoas não vão ficar de braços cruzados à espera que as coisas se resolvam.
Ou muito me engano ou vamos entrar numa fase de grandes tumultos sociais que, ainda por cima, contribuirão para agravar o estado de crise geral em que estamos mergulhados.

Anónimo disse...

Eduardo ainda há um bocado, um cliente me disse exactamente, o mesmo. O pior, é que no norte começam a fervilhar... pelo que vejo.

Ferreira-Pinto disse...

Qual o caminho que iremos trilhar no futuro é um mistério ... admito as convulsões sociais ou a concretização de cenários que já vimos e lemos nalguma ficção em que hordas imensas de descamisados se arrastam subjugados a uma minoria, Eduardo!

Ferreira-Pinto disse...

Achas mesmo que fervilha, FADA?

Anónimo disse...

QUINN tenho falado co colegas de trabalho e ainda ontem, um cliente, até suava de raiva...

Ferreira-Pinto disse...

Então ainda há esperança que não aceitemos tudo como cordeiros, FADA!

Pensador disse...

Crise, como sempre, só no nosso bolso. Para os grandes, a crise é apenas a desculpa para nos f3rr4r ainda mais...

Ferreira-Pinto disse...

Caro Pensador tem toda a razão .., antecipo que pelo caminho que as coisas levam a dita classe média vai entrar no rol das espécies ameaçadas de extinção!