30 março 2010

Valsa lenta dos sindicatos

Buzinão de enfermeiros e marcha lenta junta 20 carros em Lisboa, isto não é uma manif, é um grupo de amigos que resolveram ir mostrar-se àquelas pessoas que ganham bem menos ou será antes um acto de despudor ou uma manifestação de má consciência. Assinaram um contrato com os privados com condições remuneratórias inferiores àquelas que pretendem do estado, ou seja, de mim, de ti, de nós todos. Esta ideia nacional de que os nossos impostos e de que tudo aquilo que é colectivo não tem valor tem sido um dos factores que nos mantém na cauda do desenvolvimento e que a prazo vai necessariamente desvalorizar o próprio estado. Nada tenho contra manif´s, greves ou mesmo desobediência civil mas custa-me ver médicos, enfermeiros ou empresários queixarem-se de falta de ‘carcanhol’ e simultaneamente assistir ao silencio ensurdecedor dos desempregados e de todos aqueles que foram atirados para as margens.

Ah, convém referir que a manif-marcha lenta estava marcada para as 8:30 da manhã, como mandam as boas regras do agiprop mas os Srs. e Sras. enfermeiras devem ter feito noite nas Descobertas ou na Cuf e não conseguiram chegar a horas, afinal o contrato minimalista com os privados tem outro valor.

6 comentários:

Ferreira-Pinto disse...

Confesso que não entendo bem a luta, nem os contornos da mesma especialmente quando â entrada da carreira parecem querer ganhar mais que um nabo como eu que ja estou como técnico superior há 10 anos!
Mas as coisas, PQ, em Portugal nunca se sabe ...
Uma manifestação em marcha lenta de vinte carros é do ... cacete!

PQ disse...

Mais a mais tendo em consideração que não há enfermeiros no desemprego e ainda bem.

Ferreira-Pinto disse...

Ó PQ, aí é que já não sei ... conheço alguns.

Eduardo Miguel Pereira disse...

Manifestação de 20 carros ? mas isso era para entrar no Guiness ?
Eu gostaria muito de estar num País onde as pessoas ganhassem todas muito bem, enfermeiros incluidos, mas ainda hoje ouvi as reivindicações e falaram em valores de início de carreira que me deixram apreensivo. É que eu tenho tido na minha área de trabalho estagiários do IST (leia-se Engenheiros do melhor que este País produz) a ganharem muitíssimo menos do que aquilo que os enfermeiros pedem. Se calhar deviam de medir bem o peso das suas reivindicações, digo eu ...

PQ disse...

Amigo Ferreira Pinto conhece enfermeiros no desemprego? Serão casos muito raros. Uma sobrinha minha acabou o curso há pouco e em 3 meses lá está a fazer serviço num hospital e numa clínica.

PQ disse...

Meu caro Eduardo Pereira, é como diz, o poder reivindicativo de determinadas profissões poe mais um problema no ramalhete das desigualdades.