16 abril 2010

E perdoai as nossas ofensas...



Cristãos! Arrependei-vos! Mas só se se tornar público...

Já aqui o dissemos, mas depois da última grande homilia do "Santo Padre" não resisti a publicar aqui este apontamento: please... SHUT UP!!!

5 comentários:

Fernando Teixeira disse...

Pedófilia. Que grande chatice.
Não haverá tambem algum encesto dentro de portas?
Não haverá também quem abuse do seu amigo ou amiga prejudicando-o no emprego ou em casa?
Não haverá luxuria em muitos deste país?
E a soberba?
E o mal dizer?
Olhem, eu não faço, nunca fiz, e não farei juízos de valor contra outros. Só faço mau juízo a vendedores de droga. Este é que deviam ser queimados como fazem as autoridades que apanham droga e depois a queimam. Dentro dela devia ir todos os vendedores. Os mafiosos.
Por isso, e porque posso atirar uma pedra e não quero faze-lo. Não julgo. Vivo o dia a dia ajudando o amigo que necessite ou outra pessoa dando com a direita para que a esqueda não veja.
Eu e muitos jovem da paroquia de Mafamude-Gaia na sua tarefa, "Atreve-te Ajudar" dando de comer a muita gente escondida, que estava bem na vida e agora não está, de porta em porta ajudao-os a transportá-los para eles distribuirem alimentos, roupa e uma conversa de amigo, é que deve ser valorizado.
Agora tudo que se esxcreve sobre o resto nos jornais é para vender papel.
Perguntam: Não estou contra a pedofilia? Claro que estou. Eu não vou contar aqui o que se passou quando era ainda adolescente com 9 aos 15 anos. isso é meu segredo e de Deus.
Porquê?. Já perdoei, simplesmente.
Xau amiga Celina

Celina disse...

Olá Fernando, apesar de compreender que este tema toca na intimidade das pessoas, não posso concordar que se deve calar tais abusos. As pessoas devem ser punidas pelos seus crimes passe o tempo que passar. Eu não acredito no sacramento da confissão, pelo menos não nos moldes católicos, mas quando era pequena e estava a tentar percebe-lo a ideia que formei foi a de que os padres funcionavam como mensageiros de Deus que lhes levava o nosso arrependimento mais depressa. Desde esta conclusão passei a prestar mais atenção à homilia porque aquele homem estava mais próximo de Deus. Eram pessoas em quem eu depositaria confiança e pensar que essas mesmas pessoas possam assim marcar, a fogo, os mais indefesos... tudo isto deita por terra a minha crença no seguimento dos ideais cristãos que a igreja católica diz representar. Uma coisa tão grande... eu sinceramente admiro quem consiga perdoar tais monstros, mas na minha opinião, ainda que perdoados, esses animais merecem apodrecer na cadeia, merecem ser retirados da sociedade pois metem-me nojo, pura e simplesmente, metem-me nojo. Há uns dias uma amiga dizia que odiava esta palavra porque era muito forte e porque tem um valor pejorativo enorme, mas sinceramente não veja que outro tratamento possa ser dado a estas (deixem-me respirar fundo para conseguir chamar-lhes) pessoas. "A verdade libertar-te-á"

Celina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fernando Teixeira disse...

Olá Celina. Sim concordo consigo. Devem ser denunciados. Doa a quem doer.
Só não consigo é fazer um juízo de valores contra quem quer que seja. Veja. Quem sou eu para não perdoar a um individuo se eu sei e você sabe bem que Deus perdoa! Como não podemos perdoar se é assim que ele quer que sejamos assim, conforme os ensinamentos de Jesus Cristo!
Não, não podemos ser assim para umas coisas quando nos satisfaz o nosso EU, partilhando com outros para que fiquem bem, com mais comida, água, roupa...
Não podemos esquecer as bem aventuranças.
Dar de comer, beber, vestir não os nús porque agora não anda nimguém nú, mas os menos afortunados e não termos um coração que consiga pelo menos pensar, que pode perdoar.
Só critico quem critica a igreja católica e se for de católicos ainda pior, por não conseguir perdoar.
Perdoar está estampada logo no segundo mandamento de Deus.
O sacramento da confissão não é exclusivo da Ig.Catolica. Ela existe em todas as religiões, mersmo no alcorão, está lá.
Minha cara e sinpatica amiga. Veja o problema de outra maneira. Perdoar é um acto de amor a Deus e ao homem.
Sobre o meu problema a pessoa já faleceu há muitos anos.
Hoje não consigo ter odio a ele nem a ninguém. Ele não abusou mas fez tentativa com o gesto e na altura que foi ficou marcado na minha memória, ainda hoje com 63 anos.
Não lhe vou dizer como foi mas só lhe digo isto. Eu era puto e numa altura da confissão em criança teve um geste simples e directo (agora o resto não digo), que não me esquece. Não esqueci mas, perdoei porque tenho a certeza que Deus perdoou. Eu tenho que perdoar.
Agora como disse no principio, sim de a igreja, ou (melhor, devem as igrejas "o clero" aceitar o pecado de omissão, porque sabiam, souberam ao longo dos séculos).
O pecado mora sempre ao lado do perdão. Sem pecado não existe perdão.
Agora como crsitã que é porque só nos dedicamos a criticar a Ig.Católica? Porquê?...

Celina disse...

Perdoar é um dão de Deus, e como disse, admiro-o por o ter conseguido e não posso dizer que discordo, quem me dera ter tal capacidade! Mas mais do que perdoar, o que está em questão são os valores praticados pela Igreja Católica. Já perdi a conta às homilias que já ouvi sobre o quão errada é a frase "olha ao que eu digo não olhes ao que eu faço". Mas tudo isto encaixa que nem uma luva nesta expressão. Estamos por um lado a defender o amor e o "deixai vir a mim as criancinhas" e por outro a praticar algo que é indescritivelmente horroroso! E não o assumir e vir agora com todas estas tretas que não passam de véus... mas enfim... também tenho que acreditar que a justiça divina tratará disto. Eu continuarei a desempenhar o meu papel trabalhando para o meu ideal de sociedade, trabalho esse que incluirá sempre a denúncia dos maus costumes e práticas. Quanto à sua pergunta: como diz, sou cristã e isso prevalecerá acima de tudo, assim, ainda que pertencendo à Igreja Católica, serei sempre fiel aos meus princípios que, de acordo com a interpretação que fui fazendo do evangelho ao longo dos anos, penso ser aqueles que melhor se enquadram nos ensinamentos de Cristo. Não sou de sabedoria imensa, estou aqui para aprender, mas cada vez menos consigo entender a Igreja Católica como esse pilar de fé que se esperava da Igreja de Pedro. Muitos papas passaram, muitas mudanças surgiram, mas a minha base é e será sempre Cristo (sem intermediários).